SEJA BEM VINDO (A)!!!

O objetivo deste Blog é a interação entre as mais variadas formas de Arte, Consciência através do conhecimento e a busca por um crescimento Espiritual, em um aprendizado através da realização das obras e vida de seus autores.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

CADA COISA EM SEU LUGAR


SOMOS TODOS UM – WE ARE ONE

Gostaria de compartilhar este vídeo, uma breve explanação das verdades naturais de nosso Planeta…

...e das leis divinas que regem nossas vidas.
                   
Um apelo ao coração, uma demonstração da grandeza da mãe Terra.

Vale a pena ver, vale muito mais, compreender…


Muita luz meus amigos.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

POR TEU JULGAMENTO SERÁS…



Caros amigos, em um de meus passeios pela imensidão que conhecemos por Internet, deparei-me com uma Revista Eletrônica de Artes e Atualidades ligada à Igreja Católica, de nome “Revista Catolicismo” e endereço eletrônico www.catolicismo.com.br.

Por tratar de Arte, imediatamente fiz um passar d’olhos e me surpreendi com o artigo copiado, na íntegra, logo abaixo:

Descaminhos da arte moderna

Meu amigo Ênio Toniolo reenviou-me um e-mail com o artigo sobre “rabiscos” e pintura de Picasso (“Da arte verdadeira à rabiscagem”, de Gregório Vivanco Lopes). Eu também não concordo com esses “pinturebas” tão badalados pela grande imprensa (atéia e iconoclasta). Nunca gostei e nunca apreciei as pinturas da “arte moderna” — aliás, de nenhuma espécie de “arte moderna” —, que de moderna só tem o anticlericalismo e o niilismo que caracterizou muitos setores do século XX, entre eles a pintura. Nunca gostei de Monet, Cézanne, Picasso, Dali, Portinari e tantos outros nada cristãos, e que representavam em suas pinturas o desalinho de sua alma descrente e pernóstica. Arte, para mim, era a dos grandes gênios cristãos, entre os quais Donatello, Leonardo, Michelangelo, Rossini, Mozart, Dante e miríades de outros. Outro tanto diria das ciências. Enfim, cada passo da História tem sua história. Pena que os dois últimos séculos e o atual enveredaram por descaminhos inacreditáveis, produzindo tanto mal entre os cristãos, muitos dos quais continuam indiferentes — o Papa chama de tirania do relativismo. Que Deus tenha piedade do mundo e de nós. Um abraço.

Não gostaria de dar muito peso ao tema, acredito que não valia sequer uma palavra; fico perplexo pelo fato de uma pessoa tecer críticas, sem esquecer do escárnio – esses “pinturebas” – a pintores modernos e contemporâneos de tanto valor, tão criativos que mudaram o foco da pintura em suas épocas, do Barroco, passando pelo Impressionismo até o Surrealismo…

O desconhecimento da Biografia desses autores geniais, não seria a causa dessa barbárie à arte, de tal forma que, analisando a biografia de muitos “pinturebas” encontramos ensinamentos importantes para a evolução espiritual de qualquer ser humano, pois eles próprios são exemplos de superação, perseverança e evolução de espírito; o que mais me intriga é o comentário final, ridiculamente comparando estilos e épocas diferentes da história da pintura.

Como comparar Michelangelo à Dali, ou Da Vinci à Portinari? Existe melhor?


Respeito muito o gosto particular de cada um, a preferência artística é pessoal e sempre será… O absurdo é enaltecer um pintor comparando-o a outro e vice-versa, canonizar um artista e amaldiçoar outro; explico agora o sentido do Blog, Espiritualidade e Arte, não Religião e Arte… Considero Água e Óleo, haja vista esse absurdo escrito com finalidade religiosa, tenho muita convicção que a Arte é uma extensão da Espiritualidade, todo autor pode experimentar uma evolução através de seu trabalho.

Finalidade deturpada, tendenciosa, sendo que, ao citar os autores do Renascimento (Michelangelo, Da Vinci, Donatello) e descrevê-los como Gênios Cristãos, desmerece, também esses artistas, pois além de Gênios, todos possuiam uma consciência que, até nos dias atuais, está acima da média em se tratando de Cristianismo; basta, para isso; interpretarmos as respectivas biografias, seus feitos e suas obras codificadas e de cunho Gnóstico, sim, pois àquela época, todos seriam considerados hereges e bruxos, condenados ao fogo pela inquisição.

Finalizo com uma conclusão pessoal sobre o tema; não devemos misturar nossos dogmas e convicções religiosas com a interpretação de uma obra de arte; não podemos julgar artistas por nossas limitadas definições sobre arte, principalmente entre divino e maldito, pois assim seremos julgados em nosso dia-a-dia e; nunca devemos nos esquecer que o extremismo nos leva ao equívoco, a falha de percepção do verdadeiro e real, trocando em miúdos, um tiro no pé…

Qual a diferença entre a Santa Ceia de Da Vinci e Dali???

Seu ponto de vista, acredito…

Obrigado a todos, muita luz e discernimento.

Fred Domingos

domingo, 25 de abril de 2010

ATÉ QUANDO… SEREMOS HIPÓCRITAS???


“Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente.
A gente muda o mundo na mudança da mente.
E quando a mente muda a gente anda pra frente.
E quando a gente manda ninguém manda na gente.”



Ao postar este artigo gostaria, primeiramente, demonstrar o quanto nossas mazelas, como sociedade, em um universo micro – Família – ou macro – Nação – são amplamente divulgadas, comentadas, “marteladas” em nossas mentes; qualquer um do povo, devido ao avanço tecnológico, ao acesso à comunicação, tem amplo conhecimento de seus direitos como Cidadão, o artigo 5° da Constituição Federal é citado a todo momento, tanto quanto ao refrão de “Rebolation”.

Direitos… Legiões de “Anjos” são mensageiros das boas novas do famigerado tempo de mudanças, da Liberdade de pensamento, expressão e extinção de qualquer coisa que personifique o Mal… afinal todos são anjos…

Além de angelicais, são Arautos da justiça!!! Anjos tudo bem, mas devemos ser guerreiros, e essa definição (no contexto em que vivemos) seria hilária se não fosse trágica.

Guerreiro que se preze deve ficar confinado em um “reality show” passando por privações, com baladas, regadas a muito álcool, a cada três dias, muita comida, piscinas, conforto, corpos sarados e mentes vazias… Guerreiros se unem em frente a uma TV, enchem a cara de cerveja – na melhor das hipóteses – e torcem, sofrem por outros onze guerreiros que defendem nossa nação… E assim podemos continuar a classificar esses novos heróis.

Mas temos nossos Sacerdotes, eles darão todo respaldo religioso necessário para o grande dia, e nisso eu concordo, só não entro num acordo sobre a quem será dado esse respaldo. Acredito que a si próprio e que todo dia é grande seja uma resposta plausível, entretanto, devemos crer, não questionar…

Não quero entrar no tema de Zeitgeist, já postei a respeito disso, mas seria interessante complementar o tema com duas ilustrações; a primeira do Bispo que ensina pastores como levantar a arrecadação com a crise, criando o demônio da crise (Medo – essa já é bem batida) e divulgar sua tese que o problema é a polícia, não o bandido, “Vâmo chamá eles (bandido) pra conversa, malandro!” sic; e a segunda, da autoridade maior, o Elo de Deus e dos homens, que está com a corda no pescoço em alguns países, entre eles a Inglaterra, após a avalanche de relatórios e documentos que comprovam incontáveis casos envolvendo o clero em crimes de pedofilia e outros mais.

Somos o que queremos e temos o que merecemos. Conhecemos profundamente nossos direitos e deixamos a cargo de nossos Anjos Guerreiros a missão de fazer valer nosso sentimento “tão puro” de Justiça e a nossos Sacerdotes o “meio de campo” com Deus.

Há algum tempo li uma crônica de Arnaldo Jabor que exemplificava muito bem todo esse equívoco de identidade da sociedade Brasileira – “Brasileiro não é bonzinho, é trouxa, não é acolhedor, é babaca, não é trabalhador, é vagabundo.” Tem a certeza que conhece seus direitos, e por todos é ludibriado, a malandragem burra, roubar o troco do pão…

Pensemos agora em DEVERES (sim, tive de grifar em itálico com letras maiúsculas, mas nem assim), ninguém reúne ninguém para tratar de seus deveres, dos outros sim, pois são nossos direitos os seus deveres… O certo passa a ser errado, deturpado por teses e oratórias provenientes da diarréia mental de muitos daqueles nossos Anjos Guerreiros e Sacerdotes.

O mundo é uma farsa, eles fingem que se preocupam, nós fingimos que temos deveres… porém todos querem levar a sério seus diretos – Piada – Seria tentar explicar que 1+1 = 3, jogamos esse jogo de aparências, mas queremos que as regras que nos beneficiem sejam cumpridas. Onde vamos chegar? HIPOCRISIA!!!

Não encontro outro adjetivo para isso, não vejo saída para esse jogo e não acredito que sairemos disso com a mesma estrutura. Einstein  já alertou sobre isso, não resolveremos um problema com a solução proveniente do mesmo sistema que o criou.

Nós somos nossa solução, ninguém vai pegá-lo pela mão e resolver, vai escravizá-lo sim, pelo medo; o tempo é agora, ontem você estava preocupado com muita coisa para resolver isso, e amanhã achará que já é tarde.

Concordo, em parte, com a mensagem dessa música, acredito que, apesar de expor os problemas, desagrega as pessoas, cria classes, e não expande a consciência, principalmente de quem não tem nenhuma, a quem parece ser o seu foco; a letra gera muito questionamento, revela verdades, mas muitas conhecemos, vale como ponto de partida, mesmo sem mostrar o caminho. Quem não entender, ela serve como “desenho”, um toque, pare de correr atrás do próprio rabo!!!


Não quero gerar revolta, discordo desse subterfúgio, pois acredito que só mudamos o mundo quando mudamos a nós mesmos e a vida é um espelho, reflete nosso rosto, nosso sentimento, então sorria para a vida.

Namastê

Fred Domingos

sexta-feira, 23 de abril de 2010

ENSINAMENTO BUDISTA

"Busca a iluminação e o resto te será dado por acréscimo."
Siddharta Gautama

Caros amigos, gostaria de comentar sobre alguns princípios dessa religião – extremamente filosófica – muito similares a procedimentos utilizados na programação de um computador, pois Siddharta Gautama, analogamente, a uma máquina, pautava seus ensinamentos em “desprogramar” nossa mente; excluir de nossas vidas os “maus programas” ou vírus, que se instalam no decorrer de nossa jornada pelo mundo material.

Buda conseguiu a iluminação após vencer Mara, direcionou a mente à destruição completa dos 4 venenos, emancipando-se totalmente do veneno da concupiscência, do veneno do amor à existência (o apego), do veneno da falsa opinião (engano, superstição) e do veneno da ignorância (ignorância das nobres verdades).

Seu processo de chegar à Iluminação era fundamentado na renúncia às comodidades, que tanto naquele tempo como agora nos mantém atados e adormecidos, funcionando sempre como autômatos, antagônicos, indo do prazer à dor, do gozo ao sofrimento, do berço à tumba, da morte ao retorno à vida, sem nunca sair da tediosa roda de nascimentos e mortes, da roda do Samsara. Ele se propôs sair dessa roda e também ensinar esse caminho, revelando o que nos prende aqui (matéria), são os desejos produzidos pelos múltiplos agregados que todos levamos em nosso interior. Só eliminando esses agregados poderemos ter acesso à dita de um coração tranqüilo.

Buda viu como repetimos os mesmos atos durante vidas e vidas, mantendo-nos encarcerados pelas nossas próprias criações egóicas, sem poder experimentar a verdadeira felicidade do Ser, que é o estado próprio de um homem que se uniu com o seu Buda íntimo (união do Ser ao seu Eu superior). Concluiu, também que para despertar há que manter-se no meio, fora das extremidades da dualidade.

Sempre em equilíbrio, pouco a pouco nos conforma uma mente sã e harmoniosa, capaz de compreender toda sombra egóica até no último rincão escuro de nossa mente, Buda sempre dizia: «Busca a iluminação e o resto te será dado por acréscimo», o maior inimigo da Iluminação é o Eu...( Ego) O Eu é o nó fatal no fluir da existência, da vida livre em seu movimento, e após sua dissolução, é possível vivermos o agora, pois somos responsáveis por ele; deixando o passado e futuro, que são imprevisíveis e intangíveis no agora.

Para Siddharta Gautama o essencial é, o que se denomina de,  Quatro Nobres verdades:

A Primeira Nobre Verdade é que há sofrimento, a doença é sofrimento, o nascer é sofrimento, a velhice é sofrimento, a morte é sofrimento, a dor e o desespero são sofrimentos, o contato com o desagradável é sofrimento, o desejo insatisfeito é sofrimento, os cinco agregados da mente e do corpo que produzem os desejos são sofrimentos.

A Segunda Nobre Verdade é que o sofrimento se origina nos desejos que causa o renascimento e estão acompanhados pelo prazer sensual, buscando a satisfação neste plano físico e além, ou seja, a ânsia de prazeres, a ânsia de nascer de novo, a ânsia de ser aniquilado.

A Terceira Nobre Verdade é que a extinção do sofrimento é a verdadeira ausência de paixão, a destruição completa dessa ânsia de prazeres, dessa ânsia de nascer e dessa ânsia de ser aniquilado. O não mais albergar essa ânsia provoca a extinção do sofrimento.

A Quarta Nobre Verdade é o caminho que conduz à extinção e supressão da dor, é a via que leva à eliminação de Mara e à contemplação da Verdade Última do Ser e, portanto, à Suprema Felicidade sem Limites.

Formamos assim nosso caminho, o qual deverá ser percorrido com muita cautela e sedimentado pelo NOBRE CAMINHO ÓCTUPLO ( observação dos 8 pontos cruciais).

VISÃO CORRETA. É ver de acordo com realidade de que existe o sofrimento, a sua causa, o seu fim e o caminho que conduz a esse fim.

PENSAMENTO CORRETO. Pensamento livre de sensualidade, má vontade e crueldade.

LINGUAGEM CORRETA. Linguagem livre de engano, insulto, malícia e estupidez.

AÇÃO CORRETA. Ação livre de assassinato, roubo, adultério, mentira e entorpecentes.

VIDA CORRETA. Quando o discípulo evita um comércio perverso (adivinhação, usura, armas, seres vivos, carne, entorpecentes e venenos) e ganha a vida por meios retos e honoráveis.

ESFORÇO CORRETO. Com o esforço correto se impedem os pensamentos negativos e se desenvolvem os positivos.

ATENÇÃO CORRETA. Quando o devoto vive atento e sabe que o corpo, os sentimentos, a mente e os pensamentos são impermanentes e estão submetidos à decadência.

CONCENTRAÇÃO CORRETA. É a unidirecionalidade da mente mediante exercícios respiratórios e meditações especiais.

A “Filosofia Budista” ensina o caminho, compete a cada um trilhar seu caminho e fazer o esforço, não cometer ofensas morais, fazer o bem e limpar o próprio coração: esse é o ensinamento de todos os Budas.

Refletidas as 4 Nobres Verdades, trilhadas as 8 fases do Nobre Caminho, o retorno do sofrimento é resultado das 12 Causas do Eterno Retorno, ou seja, a origem do sofrimento ou a explicação do porque voltamos a nascer uma e outra vez neste reino ou em outros:

Há ignorância.

A ignorância condiciona as formações mentais.

As formações mentais condicionam a consciência.

A consciência condiciona a mente e o corpo.

A mente e o corpo condicionam os sentidos.

Os sentidos condicionam o contato.

O contato condiciona a sensação.

O sentimento condiciona o desejo.

A ânsia condiciona o apego.

O apego condiciona o processo de chegar a Ser.

O processo de chegar a ser condiciona o renascimento.

O renascimento condiciona a decadência e a morte, e também a pena, lamentação, dor e desespero.

O entendimento desse significado das doze causas do eterno retorno há que apelar à gnose de todos os tempos, a saber que o último elo é a ignorância.

A ignorância é tudo contrário ao conhecimento, e é indubitável que conhecimento é Gnose, Gnose é a chama da chama, com a qual podemos fazer luz até no mais distante rincão do Universo. Gnose é o fogo devorador que consome toda ignorância e é capaz de oferecer à Essência a Verdade Última e a liberação total de todo encadeamento à Roda do Samsara.

Conforme Hermes Trismegisto: «Tudo é mente, o universo é mental», portanto, os seguintes desdobramentos da Mônada ou Chispa Virginal já estão condicionados pela ignorância e arrastam visão subjetiva do próprio Universo que nos rodeia.

Uma outra forma de encarar o caminho da iluminação, mais algumas peças a esse grande quebra-cabeça…

Luz a todos nós.

Fred Domingos

Fonte: http://www.vopus.org
http://samsara.blog.br

quarta-feira, 21 de abril de 2010

A DESINTEGRAÇÃO DO VELHO


ASAS – Por Karen Bishop
20 de abril de 2010



Bem-Vindos!

Enquanto nós sempre progredimos constantemente com a nossa chegada ao espaço de vibração mais elevada, nós estamos “nos deslocando em alta velocidade”, como os meus amigos estelares o descrevem... como um veículo se movendo em marcha rápida, com a sua total capacidade, e com a necessidade de acomodar uma energia de movimento muito mais rápido.

Terremotos, tremores de terra em toda a parte, estranhos e imprevisíveis padrões climáticos, humores e comportamentos incomuns para muitos indivíduos, e um vazio estranho, são apenas alguns dos climas que estes massivos movimentos de energia estão criando.

O tsunami cósmico da nova energia de vibração mais elevada está chegando mais firmemente agora, enquanto ao mesmo tempo, a Terra está se movendo e se ajustando também, enquanto ela se prepara para acomodar mais plenamente estas novas energias de nosso espaço muito novo.

A Terra se moveu para um novo espaço nos cosmos nos últimos meses, está se ajustando e se alinhando, e estamos fazendo o mesmo. Começando com um grande terremoto aqui e ali, e progredindo para muitos terremotos ao redor do globo, ao mesmo tempo, nós estamos realmente começando a sentir estes movimentos agora. Erupções vulcânicas, mudanças climáticas e um tremor contínuo embaixo dos nossos pés se tornaram a norma agora, ou assim parece. Não é nenhuma surpresa que muitos sintam um tremor estranho, mal estar e uma sensação geral de mudança.

Quando progredimos ao ponto onde muitos, muitos terremotos estavam ocorrendo ao redor do globo (em torno da primeira semana de Abril), muito foi desalojado e afastado do seu espaço anterior. Em primeiro lugar, a escuridão se moveu para cima e para fora, e poderia ser sentida como ansiedade, pânico, depressão, ou até uma sensação de estar “assustado”. As energias então evoluíram para o estágio seguinte, resultando em muitos “términos” e muitas mudanças. Enquanto muito se desalojava de sua velha rotina, muitas manifestações resultaram relacionadas a términos, perdas, e um grande vazio. Nós estamos também começando a nossa residência de todas as maneiras, em um novo estado de mais luz. Assim, isto significa que as coisas que foram desalojadas não se ajustam mais a nós, e também significa que a luz trazida em primeiro plano revelou tudo e qualquer coisa que não se adapta também. Além disto, as coisas estão sendo “desintegradas” e separadas, somente para serem unidas novamente de maneiras novas, em um momento posterior.

Términos de relacionamentos, a descoberta do que estava real e verdadeiramente ocorrendo com muitos relacionamentos (pois a luz revelará sempre o que está realmente lá), mais términos com carreiras, com residências geográficas e com muitas conexões, podem subitamente se tornar a norma. Neste momento também, pontos de saída são sempre criados para as almas (humanas e animais) para partirem, pois isto é também, outra conexão cortada, ou melhor, uma partida de um velho espaço que não serve mais. E se as experiências e términos não estivessem lá para alguns, na melhor das hipóteses, um sentimento de que talvez não soubéssemos mais onde pertencíamos, um sentimento de não querermos ir ou fazermos o que sempre fazíamos, ou até nos sentindo “deslocados” sem uma razão em particular, parecia se alastrar também. Nada ao nosso redor pode ter parecido adequado, bom, normal, seguro ou remotamente confortável.

Quando estas energias rompedoras começaram a chegar mais plenamente, acidentes, doenças físicas, dores no corpo e rigidez da energia presa que estava sendo atingida através de todo este movimento, enfermidades, dores no peito, náuseas e até dificuldade respiratória foram experienciadas por muitos.

Durante quase todo o mês de Março, nós estivemos no modo “agitado e preparatório”, pois nos preparávamos para quem sabe o quê. Nos níveis de nossa alma, nós sabíamos que algo estava para chegar, e precisávamos estar prontos de algum modo. O tempo de “agitação” parecia quase implacável, sem término à vista. Então, logo antes das novas energias atingirem os primeiros dias de Abril, podemos ter sentido um desânimo, uma diminuição desta energia de “puxa e empurra”, enquanto experienciávamos muito de tudo cedendo e chegando a uma parada. Agora era o momento para começar o tsunami cósmico. Ainda que não tivéssemos completado tudo que tínhamos previsto, pois estávamos no modo de preparação, não importava, pois as energias estavam simplesmente fazendo o seu trabalho de nos programar, permitindo-nos participar de tudo o que cada um de nós sentia que precisava participar, a fim de estarmos prontos.

Com toda esta nova energia chegando, as coisas podem não estar parecendo tão gloriosas como podemos ter imaginado que seria a energia nova e mais elevada. Mas o que há mais de novo? Este processo de evolução foi sempre desafiador, mas talvez o que o torne pior do que ele precisa ser, é a ausência da energia do coração, ou de experienciar o amor e o apoio de nossos irmãos e irmãs.

A energia do coração é o que tem tudo a ver nos reinos mais elevados. “Criando a Nova Realidade” fala muito desta nova energia que está chegando e como trabalhar com ela e acomodá-la, pois isto é realmente onde tudo reside agora e do que tudo se trata.

Todos estes novos alinhamentos, ajustes e todo este grande movimento, estão todos relacionados à energia do coração. Nós perceberemos agora que estamos nos separando, nos afastando, e partindo de coisas sem a energia do coração (ou que não se equipare onde nós estamos), e começaremos a nos solidificarmos e a nos conectarmos mais plenamente com aqueles que incorporam muito facilmente a energia do coração. Deste modo, novos inícios estão aqui e disponíveis também.

Sim, portas estão fechando, coisas estão terminando, perdas estão ocorrendo e separações são evidentes, enquanto ao mesmo tempo, aquelas coisas que se ajustam à energia do nosso coração, é o que permanecerá ou começarão a se manifestar sob nova forma. É assim que navegamos nos reinos superiores... através de nossos corações. Seguir os nossos corações nos levará naturalmente as nossas novas residências e espaços, enquanto partirmos dos espaços que não têm o coração, ou até onde os nossos próprios corações não estão mais, pode somente ocorrer agora, pois a energia do coração está executando o show.

As pessoas podem parecer estar fora de si mesmas somente agora, sem nenhuma consciência aparente de que apenas podemos precisar nos unir com os corações abertos, a fim de sobrevivermos em tempos vindouros. Os campos de energia ao redor de muitos indivíduos podem parecer dizer: “porta fechada”, “acabou para o dia”, ou até “Eu estou segurando a minha respiração até que tudo isto acabe”, e “Eu não o vejo”, como auto-proteção, parecem estar correndo desenfreados. Ou até: “Eu estou cuidando de mim mesmo e do meu espaço, de modo que eu possa sobreviver a todas estas turbulências e ficar firme nos próximos tempos. Sem tempo para mais nada agora.” (Mais sobre isto mais adiante.)

Meu pai está atualmente no hospital, preparando-se para a sua partida, pois agora ele recusou todos os tratamentos e se entregou ao seu processo. Ele não poderia mais se manter através de meios artificiais, pois o seu corpo não o está sustentando sozinho. Desde o início, no momento de seu diagnóstico, ficou muito claro que aos níveis de nossa alma, ele não me queria por perto neste momento. Ele fez um acordo aos nossos níveis humanos, e desde então eu me afastei, honrando o seu pedido, recebendo a minha informação sobre o seu estado de saúde de parentes estranhos. Tudo esteve em divina e perfeita ordem.

Mas, eu tenho a dizer, eu nunca sonhei que seria tão difícil perder um pai. Meu pai e eu fomos sempre muito próximos em toda a nossa vida, com uma forte conexão do coração. Parece que subitamente tudo me lembra dele e eu não posso prosseguir muito tempo sem que as lágrimas escorram pela minha face. Ainda que eu esteja muito consciente do por que e como as coisas estão ocorrendo aos níveis mais elevados, eu ainda estou em um corpo humano com emoções humanas, enquanto ainda vivo em uma realidade física. É difícil imaginar que a única energia que a sua alma incorporou e a forma física que ele assumiu, nunca viverá novamente nesta Terra. Oh, as memórias dos momentos que compartilhamos, como ele contribuiu para quem eu sou hoje, e o amor que ele me deu enquanto estava aqui. Estas perdas fazem o tempo parar, nos fazem recuar por algum tempo, e talvez examinarmos do que se trata a vida realmente e o que real e verdadeiramente importa.

Enquanto eu estava no banco no outro dia, um dos meus leitores me perguntou como eu estava indo e também quanto ao meu livro (nós nos conhecemos razoavelmente bem, a propósito). Estando chocada e triste, eu lhe contei sobre o meu pai. Ele anotou imediatamente o número da sua casa e me pediu que lhe telefonasse se assim o precisasse. Outros que ficaram cientes da minha tristeza e perda parecem estar atrás de uma parede de separação, o que inclui a maior parte das pessoas com a qual eu agora me comunico. Eu comecei a imaginar se a energia do coração se tornou uma coisa rara, com tanta dor, sofrimento e futilidade que foram experienciados por tantos no planeta em tempos recentes. Os dias finais da velha terra foram demasiados para alguns e fechou os nossos corações? E para aqueles cujos corações permanecem abertos, nós continuamos a nos permitir que tirem vantagem, sermos agredirmos e sugados?

À medida que avançarmos, nós certamente aprenderemos como navegar com a energia do coração. Nós saberemos tê-la facilmente acessível para a energia de outro coração, e mantê-lo fechado para aqueles que não estejam preparados e que não nos vêem.

Agora, aparentemente uma quase rara e extinta energia, nós sempre saberemos quando a energia do coração estiver presente, pois a sentiremos imensamente. É a onda e a cola que nos une e nos permite manifestar quase que imediatamente. É o que nos conecta se lhe permitirmos que a tudo supere. Nós nos conheceremos e nos veremos, coração a coração. E atrairemos para nós o que conectamos com os nossos corações.

Enquanto os nossos círculos de conexão podem começar a parecer como se eles estivessem ficando menores, as conexões que permanecem para aqueles nos reinos mais elevados têm a ver com o coração. Sim, nós começaremos a nos ligarmos e a nos unirmos com aqueles que compartilham esta energia. Como a melhor parte da safra, ela se elevará à superfície e permanecerá acima e além do que está ocorrendo agora nos degraus inferiores da escada da ascensão. O barulho abaixo dos nossos pés, a mudança e a triagem que os ajustes da Terra estão criando criarão muito naturalmente novas conexões, enquanto todas as outras conexões se reorganizarão e se moverão para novos espaços que agora se equiparem aonde toda e cada energia vibre. Às vezes, parece que este processo de separação e de triagem que experienciamos por tantos anos não tem fim, enquanto evoluímos cada vez mais.

Muito começará a se desintegrar agora, pois não pode mais existir nestas novas vibrações mais elevadas. Enquanto as mudanças da Terra continuam, nós experienciaremos mais e mais impactos, términos e portas fechadas, enquanto o velho se prepara para o seu iminente fim. Como dominós em extinção, as coisas começarão a cair muito rapidamente em tempos próximos. Mas isto é o que soubemos que eventualmente ocorreria. Nós sabíamos a algum nível que o processo se revelaria deste modo. Nós agora estamos vivenciando os estágios finais dos “términos”, a fim de que possamos começar de um modo totalmente novo. Enquanto adquirimos nova força através de nossa nova conexão com a nova Terra, nós estamos nos preparando para trazer a nova... uma Terra muito nova que substituirá a velha quando for o momento certo.

Em “Travessia”, um projeto é descrito que explica como nos tornaremos auto-suficientes antes que nos unamos como um todo. Deste modo, o plano se refere a ser capaz de nos sustentarmos antes de nos conectarmos com outros. Nós devemos ser indivíduos de um modo verdadeiro e forte, antes de criarmos um todo de vibração mais elevada. Assim, isto está ocorrendo agora em relação a muitos que se percebem tomando conta dos seus espaços e tendo certeza de que eles são capazes de permanecerem firmes em tempos que se aproximam. Mas isto não significa que deixemos de ter conexões do coração durante este tempo. Nós podemos tomar conta de nossos espaços e ficarmos fortes e firmes, enquanto ao mesmo tempo consideramos intensamente os nossos irmãos e irmãs quando eles precisarem da energia de nosso coração. Eu não estou falando de salvar outros que não escolheram avançar ou crescer e se expandir, mas de nos amarmos e estarmos lá para o outro através dos tempos desafiadores que estão agora apenas começando.

Hoje eu decidi entrar em meu carro, com o gato a tiracolo, e apontá-lo na direção da minha filha e dos meus netos, no lado oposto dos Estados Unidos. Planejando parar ao longo do caminho, em cidades pequenas e obscuras, sem agenda ou plano, acolhendo uma nova e surpreendente experiência de ver que há ainda o coração e a alma presentes (como eu sei que está lá, em todo o lugar), eu aguardo ansiosamente recuperar a minha fé na humanidade. Com encontros sincrônicos e não planejados com os outros, pois a energia do coração atrai muito naturalmente a energia de outro coração para si mesma, estou ansiosa para limpar as minhas teias de aranha, renovar a minha energia, conectar-me com o meu pai de um modo novo depois de sua transição, e eu espero, preparar-me para o meu novo início quando eu voltar para casa. (Para aqueles que estão inscritos no que diz respeito às doações contínuas, não se preocupem, pois eu continuarei a publicar as mensagens de ASAS enquanto afastada de casa, como sempre fiz).

É para onde o meu coração está agora me levando... aos corações de muitos outros lá fora, ao longo do caminho. E, não por coincidência, isto está também em verdadeiro alinhamento com um dos meus novos empreendimentos e ofertas. Se seguirmos os nossos corações, se gravitarmos para o que está na essência do nosso ser e para quem e ao que nos referimos, e se seguirmos a trilha de migalhas para um espaço que esteja cheio de nossos próprios corações e que ative o coração em outros também, nós não poderemos errar.

Muitos nasceram para este tempo... para este tempo de grandes mudanças na Terra. E por causa desta verdade, nós ficaremos firmes em tempos que se aproximam, enquanto prenunciamos uma realidade muito nova.

Com muito amor e gratidão,

Karen

Fonte: www.emergingearthangels.com

terça-feira, 20 de abril de 2010

O EVANGELHO DE MARIA MADALENA


Maria Madalena respondeu dizendo: " Esclarecerei a vós o que está oculto".

Queridos amigos, gostaria de dividir com todos esse assunto, que poderia ser estendido por inúmeros outros artigos complementares, devido a importância de algumas descobertas sobre a vida e obra de Maria Madalena. Pretendo certamente voltar e discutir algo sobre estudos da biografia dessa intrigante mulher, personagem, por quase dois milênios, desdenhado e vulgarizado pela igreja, e que hoje exerce fascinação aos estudiosos do assunto (arqueólogos, historiadores etc.).

Pretendo seguir uma linha de raciocínio, e para isso, reputo de muita importância uma leitura preliminar sobre esse texto de profundo significado esotérico e bombástico se levarmos em conta outros Evangelhos referentes a vida de Jesus e seus ensinamentos.

Escrito provavelmente no século II. Foi através de um fragmento copta, em NAG HAMMADI  (Pequena localidade no Alto Egito) onde em 1945, o camponês Muhammad Ali as-Salmman, encontrou um grande pote vermelho de cerâmica, contendo 13 livros de papiro encadernados em couro. No total descobriram cinqüenta e dois textos naquele sítio. 

Na primeira análise, para surpresa do Dr. Quispel, a primeira linha traduzida do copta foi: "Essas são as palavras secretas que Jesus, O Vivo, proferiu, e que seu gêmeo, Judas Tomé, anotou".

 O destaque fica para a estranha parábola que Jesus conta para Maria Madalena. Esta passagem ocorreu após sua crucificação.

FRAGMENTO DO EVANGELHO SEGUNDO MARIA MADALENA

Salvador disse: "Todas as espécies, todas as formações, todas as criaturas estão unidas, elas
dependem umas das outras, e se separarão novamente em sua própria origem. Pois a
essência da matéria somente se separará de novo em sua própria essência. Quem tem
ouvidos para ouvir que ouça".

Pedro lhe disse: "Já que nos explicaste tudo, dize-nos isso também: o que é o pecado do
mundo?" Jesus disse: "Não há pecado ; sois vós que os criais, quando fazeis coisas da
mesma espécie que o adultério, que é chamado 'pecado'. Por isso Deus Pai veio para o meio
de vós, para a essência de cada espécie, para conduzi-la a sua origem."

Em seguida disse: "Por isso adoeceis e morreis [...]. Aquele que compreende minhas
palavras, que as coloque-as em prática. A matéria produziu uma paixão sem igual, que se
originou de algo contrário à Natureza Divina. A partir daí, todo o corpo se desequilibra.
Essa é a razão por que vos digo: tende coragem, e se estiverdes desanimados, procurais
força das diferentes manifestações da natureza. Quem tem ouvidos para ouvir que ouça."
Quando o Filho de Deus assim falou, saudou a todos dizendo: "A Paz esteja convosco.

Recebei minha paz. Tomai cuidado para ninguém vos afaste do caminho, dizendo: 'Por
aqui' ou 'Por lá', Pois o Filho do Homem está dentro de vós. Segui-o. Quem o procurar, o
encontrará. Prossegui agora, então, pregai o Evangelho do Reino. Não estabeleçais outras
regras, além das que vos mostrei, e não instituais como legislador, senão sereis cerceados
por elas".Após dizer tudo isto partiu.

Mas eles estavam profundamente tristes. E falavam: "Como vamos pregar aos gentios o
Evangelho ao Reino do Filho do Homem? Se eles não o procuraram, vão poupar a nós?"
Maria Madalena se levantou, cumprimentou a todos e disse a seus irmãos: "Não vos
lamentais nem sofrais, nem hesiteis, pois sua graça estará inteiramente convosco e vos
protegerá. Antes, louvemos sua grandeza, pois Ele nos preparou e nos fez homens". Após
Maria ter dito isso, eles entregaram seus corações a Deus e começaram a conversar sobre as
palavras do Salvador.

Pedro disse a Maria:"Irmã, sabemos que o Salvador te amava mais do que qualquer outra
mulher. Conta-nos as palavras do Salvador, as de que te lembras, aquelas que só tu sabes e
nós nem ouvimos." 

Maria Madalena respondeu dizendo: " Esclarecerei a vós o que está oculto". E ela começou
a falar essas palavras: "Eu", disse ela, "eu tive uma visão do Senhor e contei a Ele: 'Mestre,
apareceste-me hoje numa visão'. Ele respondeu e me disse: 'Bem aventurada sejas, por não
teres fraquejado ao me ver. Pois, onde está a mente há um tesouro'. Eu lhe disse: 'Mestre,
aquele que tem uma visão vê com a alma ou como espírito?' Jesus respondeu e disse: "Não
vê nem com a alma nem com o espírito, mas com a consciência, que está entre ambos -
assim é que tem a visão [...]".

E o desejo disse à alma: 'Não te vi descer, mas agora te vejo subir. Por que falas mentira, já
que pertences a mim?' A alma respondeu e disse:'Eu te vi. Não me viste, nem me
reconheceste. Usaste-me como acessório e não me reconheceste.' Depois de dizer isso, a
alma foi embora, exultante de alegria. "De novo alcançou a terceira potência , chamada
ignorância. A potência, inquiriu a alma dizendo: 'Onde vais? Estás aprisionada à maldade.
Estás aprisionada, não julgues!' E a alma disse: ' Por que me julgaste apesar de eu não haver
julgado? Eu estava aprisionada; no entanto, não aprisionei. Não fui reconhecida que o Todo
se está desfazendo, tanto as coisas terrenas quanto as celestiais.' "Quando a alma venceu a
terceira potência, subiu e viu a quarta potência, que assumiu sete formas. A primeira forma,
trevas,; a segunda , desejo; a terceira, ignorância,; a quarta, é a comoção da morte; a quinta,
é o reino da carne; a sexta, é a vã sabedoria da carne; a sétima, a sabedoria irada. Essas são
as sete potências da ira. Elas perguntaram à alma: ´De onde vens, devoradoras de homens,
ou onde vais, conquistadora do espaço?' A alma respondeu dizendo: ' O que me subjugava
foi eliminado e o que me fazia voltar foi derrotado..., e meu desejo foi consumido e a
ignorância morreu. Num mundo fui libertada de outro mundo; num tipo fui libertada de um
tipo celestial e também dos grilhões do esquecimento, que são transitórios. Daqui em
diante, alcançarei em silêncio o final do tempo propício, do reino eterno'."

Depois de ter dito isso, Maria Madalena se calou, pois até aqui o Salvador lhe tinha falado.
Mas André respondeu e disse aos irmãos:"Dizei o que tendes para dizer sobre o que ela
falou. Eu, de minha parte, não acredito que o Salvador tenha dito isso. Pois esses
ensinamentos carregam idéias estranhas". Pedro respondeu e falou sobre as mesmas coisas.

Ele os inquiriu sobre o Salvador:"Será que ele realmente conversou em particular com uma
mulher e não abertamente conosco? Devemos mudar de opinião e ouvirmos ela? Ele a
preferiu a nós?" Então Maria Madalena se lamentou e disse a Pedro: "Pedro, meu irmão, o
que estás pensando? Achas que inventei tudo isso no mau coração ou que estou mentindo
sobre o Salvador?" Levi respondeu a Pedro: "Pedro, sempre fostes exaltado. Agora te vejo
competindo com uma mulher como adversário. Mas, se o Salvador a fez merecedora, quem
és tu para rejeitá-la? Certamente o Salvador a conhece bem. Daí a ter amado mais do que a
nós. É antes, o caso de nos envergonharmos e assumirmos o homem perfeito e nos
separaremos, como Ele nos mandou, e pregarmos o Evangelho, não criando nenhuma regra
ou lei, além das que o Salvador nos legou."

Depois que Levi disse essas palavras, eles começaram a sair para anunciar e pregar.

Muita luz a todos.

Fred Domingos

Obras: A Santa Ceia de Leonardo da Vinci

sábado, 17 de abril de 2010

A FILOSOFIA E ESPIRITUALIDADE DE OSHO


“Envelhecer, qualquer animal é capaz. Desenvolver-se é prerrogativa dos seres humanos. Somente uns poucos reivindicam esse direito.”
Osho



Após muita leitura, principalmente de pensamentos e ensinamentos desse grande Filósofo (considero, não só eu mas multidões pelo mundo, muito mais um Espiritualista) Contemporâneo, sua morte, que não foi a tanto tempo assim, deixou muito a que se refletir.

Seus ensinamentos "formais", direcionados aos seus alunos universitários, mesclavam um conhecimento profundo em questões filosóficas às simplificadas, porém não menos divinas, mensagens de cunho espiritualista, vagando sempre entre conceitos Budistas, Zoroastristas, Sufistas entre outros mais orientalizados; porém, sempre antagônico as maiores religiões ocidentais, e o medo difundido em grande escala por seus líderes religiosos.

Gostaria de citar, brevemente, uma biografia desse, que após duas mudanças de nome, definiu-se apenas como OSHO:

No fim dos anos 50, um professor de filosofia chamava atenção na Universidade de Jabalpur, na Índia. As aulas do barbudo de gorro e óculos escuros, sempre lotadas, eram as únicas em que homens e mulheres podiam sentar-se juntos e debater livremente – apenas mais uma das controvérsias do homem que se definiu como “um místico espiritualmente incorreto”. Chandra Mohan Jain, ou simplesmente Osho, causava polêmica principalmente com seus ataques às religiões tradicionais. Pregando a busca da liberdade através da meditação, ele conquistou uma geração de pessoas que buscava a espiritualidade sem ter de se comprometer com antigas crenças. Mas o movimento que ele criou assumiu todos os contornos de uma nova religião, como a busca pelo divino, seguidores, rituais, doutrinas e até mesmo escrituras – mais de 600 livros que são best sellers internacionais, traduzidos em 55 idiomas.

“Não existe homem mais cabeça-dura que o papa, o Polaco”, disse sobre João Paulo 2º durante uma entrevista de 1985, publicada em 6 volumes no livro O Último Testamento. O Polaco, como sempre chamava o então chefe da Igreja Católica, era um dos alvos favoritos de Osho: “O mundo está superpovoado e ele continua pregando contra o controle de natalidade, a pílula e o aborto”. Seus livros, editados a partir de palestras e entrevistas, oferecem novas interpretações de livros sagrados, líderes religiosos e sistemas políticos. O objetivo era discutir a importância da liberdade, do autoconhecimento e da relação do homem com ele mesmo e com o planeta – a busca por um novo homem.

“A abordagem de Osho traz elementos religiosos, especialmente no sentido de que o ser humano tem a capacidade de se iluminar e pode desenvolver seu potencial inerente”, explica o professor de teologia da PUC-SP Frank Usarski. Esse potencial seria desenvolvido pela meditação, mas não com os métodos desenvolvidos há séculos pelos orientais, que segundo ele não surtem efeito no homem moderno e num mundo extremamente consumista e dinâmico. Seria preciso algo mais agressivo para nos tirar do estado “vicioso” em que estamos. Para isso, Osho desenvolveu técnicas, como a meditação dinâmica, e reformulou outras. “O objetivo é a libertação do ser humano por práticas diversas das quais Osho se apropriou, de tradições religiosas como o zen-budismo, o tantrismo e o sufismo”, diz Usarski.

Segundo a autobiografia de Osho, sua trajetória espiritual começou de maneira semelhante à de antigos profetas, aos 21 anos, com uma revelação. Ele conta que numa noite de março de 1953 foi acordado por uma energia forte em seu quarto, correu para o jardim onde meditava e viu tudo iluminado. Ficou 3 horas em estado contemplativo – “chapadão”, como definiu – e 7 dias sem falar. “Dias se passavam e eu não sentia fome, não sentia sede. Desde aquela noite, nunca mais estive em meu corpo.” A luz trouxe a percepção de que não há nada a ser obtido, pois o ser humano já é perfeito.

Formado em filosofia, Osho passou a dar aulas e a reunir nas universidades seus primeiros discípulos. A quantidade de pessoas que o buscavam era tão grande que em 1962 ele abriu um centro de meditação e começou a fazer inúmeras viagens para palestras ao redor da Índia. Em 1964, suas palavras foram publicadas pela primeira vez em livro, sob o título O Caminho Perfeito. Foi a primeira das muitas obras que fizeram o sucesso do movimento. Dois anos depois, Osho abandonaria sua atividade acadêmica para dedicar-se exclusivamente à vocação de guru e passou a organizar acampamentos de meditação na zona rural do país.
Nos anos 70, Osho já tinha uma pequena multidão de seguidores e o movimento começou a ganhar as feições de uma religião. Em 1970, num campo de meditação, ele fez a iniciação formal do primeiro de seus discípulos – ou neosanias. Em 1971, ele mesmo mudaria seu nome para Bhagwan Shree Rajneesh – ou “Rajneesh, o senhor abençoado”, em sânscrito – deixando clara sua ligação divina. Os neosanias adotaram rituais como vestir roupas vermelho-alaranjadas, um colar de 108 contas e um medalhão com a imagem do líder. Além disso, cada novo discípulo era rebatizado pelo mestre para caracterizar a adesão. Afinal, Osho e seus seguidores mudaram-se para uma comunidade no parque Koregaon, em Puna, Índia, que se tornou um resort de meditação. Segundo Usarski, mais uma característica de um movimento religioso. “Religiões integram socialmente, já que membros de uma comunidade religiosa compartilham a mesma cosmovisão, têm valores comuns e praticam sua fé em grupo.”

Em Puna, Osho aplicava métodos terapêuticos em workshops e dava palestras diariamente. De manhã, comentava os ensinamentos de tradições religiosas, como o budismo, o sufismo e o cristianismo. À tarde, respondia perguntas sobre temas como amor, ciúme e meditação. Num mês, falava em hindi, no outro, em inglês. Cada série de 10 dias foi publicada em forma de livro, compondo mais de 240 obras em 7 anos. Na época, Osho já tinha cerca de 400 livros publicados, somando um volume de texto maior que o da Bíblia ou do Alcorão. Em 1976, o complexo de Puna ganhou um edifício dedicado exclusivamente à produção editorial do guru. Os livros levavam a palavra de Osho para o mundo inteiro e atraíam cada vez mais gente para conhecer de perto seu movimento. No fim dos anos 70, o centro recebia cerca de 100 mil pessoas por ano. E cada vez mais ocidentais eram conquistados pela idéia de renunciar às repressões impostas por religiões, educação, governos e outras tradições, sem ter de abrir mão do mundo material.

O interesse de estrangeiros fez o movimento buscar uma base fora da Índia e em 1981 Osho e seus seguidores mais próximos mudaram-se para um terreno 150 vezes maior que o Parque do Ibirapuera, no deserto de Oregon, nos EUA, dando um passo importante para internacionalizar o movimento. “Queríamos construir um lugar para vivermos o novo homem. Um centro terapêutico, um resort, uma comunidade, um clube de meditação enorme”, conta A. Racily, brasileira membro da Osho International, que morou com o guru em Rajneeshpuram, como foi chamada a comunidade.

Por não condenar a riqueza, o movimento atraiu a atenção de milionários. E começaram as polêmicas que marcariam aquela temporada. Osho ficou famoso por sua coleção de 93 Rolls-Royces. Segundo Racily, os carros foram doados por discípulos ricos para ajudar a construir a cidade. “Sem bens, não podíamos pegar empréstimos. Os carros foram hipotecados para comprarmos material de construção.” Seu liberalismo em relação ao sexo (veja ao lado) também criou repúdio. Ainda havia uma agravante: “Nós andávamos de vermelho. E naquela época vermelho era coisa de comunista”, diz Racily. Rajneeshpuram começou a sofrer boicotes da comunidade local. Alvarás foram negados e o visto de residente de Osho foi negado. Em 1985, acusado de violar a lei de imigração, passou 6 dias preso e foi libertado sob fiança de US$ 400 mil e a promessa de deixar o país.

Pessoalmente, a temporada americana foi ruim para Osho, que em seguida teve visto negado em 21 países e foi obrigado a voltar à Índia. A perseguição, no entanto, teve muita repercussão na mídia. O que, de forma contemporânea, teve um efeito semelhante às perseguições sofridas por profetas da Antiguidade, como Moisés, Jesus e Maomé, ajudando a fortalecer a adesão dos fiéis ao movimento e a popularizá-lo entre os demais.

Antes de morrer, em 1990, o guru mudaria de nome uma última vez, para o definitivo Osho – sinônimo de “oceânico”. Aliás, a placa sobre suas cinzas diz que ele “nunca nasceu, nunca morreu. Apenas habitou este planeta Terra entre 1931 e 1990”. Sua palavra, com certeza, está bastante viva. Segundo Klaus Steege, presidente da Osho International em Nova York, ainda há palestras não traduzidas do híndi para o inglês – o que significa que mais livros serão publicados. E como era de esperar de um guru moderno, os livros não são mais o principal veículo da palavra de Osho. “O grande projeto agora são os dvds com técnicas de meditação e os livros com cds.”

Um grande e fraterno abraço.

Fred Domingos

Fonte: http://super.abril.com.br

terça-feira, 13 de abril de 2010

O AMOR TRANSCENDE A MATÉRIA, FLUI PELAS DIMENSÕES



Queridos amigos, fico muito honrado em dividir a mensagem que segue, independentemente de suas crenças religiosas, suas pendências a determinados dogmas, leiam com o coração, transmutem qualquer aversão e preconceito (se houver) em amor, perdão e compreensão.

Este é um trecho extraído de uma Canalização originalmente transcrita em inglês do “site” lightworkers.org, e traduzido para o português por blogsintese.blogspot.com; mensagem essa, atribuída à entidade Matusalém, isso mesmo, segundo as fontes acima, o mesmo da linhagem sagrada.

Saliento que, a irrelevância do remetente se faz presente no momento em que levamos algo positivo desse ensinamento, nenhum sistema de crença pode suplantar a essência da mensagem, ou seja, o Amor, ao próximo, nossos parentes e ancestrais, conhecidos ou não; podemos influenciar (apenas com a intenção) planos além da Terceira Dimensão de maneira imensurável ao nosso humilde entendimento.

Leiam com a alma e assimilem com o coração:

A LIMPEZA FINAL DA CASA
Uma Mensagem de MATUSALÉM
Através de Zilanthrah,
24 de Março de 2010

Saudações do Reino do sol, dos pássaros, das cachoeiras e da paz infinita.

Eu Sou Matusalém e eu venho com muito afeto por tudo o que vocês fazem.

Estou ciente de sua recente experiência com a abertura de passagem para a Luz por aqueles que estão prontos para entrar na Luz. Isto está ocorrendo por todo o planeta em base regular devido às novas energias.

As energias de Amor, Luz e Paz atuam como catalisador para aqueles que estão preparados e desejosos de irem para seu próximo nível. Isto tem funcionado bem já há algum tempo, apesar de ainda haver aqueles, diríamos, teimosos, que continuam agarrados com as unhas àquilo que os serviu por tempo demais.

Esses não têm sido afetados pela indução amorosa das energias em operação.

Para aqueles de vocês que desejam ajudá-los do seu próprio modo, nós aconselhamos que o façam e honramos vocês por sua escolha, mas lembrem-se de que esta é uma opção de sua escolha.

Conseguem pensar em alguém de sua linhagem que vocês lembrem que, talvez até quando crianças, se sentiam particularmente atraídos?

É a esse pessoal a que me refiro como teimosos, pois muitos deles através de toda a vida estão agarrados com as unhas aos aspectos negativos de suas vidas.

Alguns deles não fizeram a transição para a Luz e escolheram permanecer na quarta dimensão onde eles continuarão a fazer seu caminho através da energia daqueles em corpos físicos.

Eles estão cientes do que está acontecendo ao redor deles, como também, na terceira dimensão. Eles estão cientes de que há um lugar melhor para estar, entretanto sua energia negativa está tão bem enraizada que eles deixaram passar, por opção, a passagem para o reino Iluminado.

Esses que vocês podem ter conhecido quando crianças são um exemplo, pois há uma multidão de entidades desencarnadas de tempos anteriores aos seus e de tempos dos dias antigos.

Alguns de vocês têm técnicas que funcionam bem para vocês e eu sugiro que vocês dispensem um tempo com a intenção de ajudarem-nos ir embora.

Se vocês não estão acostumados a fazer isso, recomendamos que entrem em estado meditativo, no qual sintam paz e amor em seus corações com a intenção de ajudá-los passarem para o próximo estágio de evolução.

Saibam que quando vocês criam sua intenção para fazer isto, vocês são cercados por Seres Celestiais, por Mestres e Anjos que desejam ajudar.

Não há nada o que temer; vocês estão protegidos.
E a energia dos desencarnados não os pode afetar.
Caso contrário, vocês não seriam orientados a fazer isso.

Saibam que se vocês escolherem esta opção, alguns parentes ou amigos vivendo na quarta dimensão não terão escolha, já que estão cientes de que há um lugar melhor para eles e de que agora é hora do próximo estágio de evolução deles.
Eles simplesmente partirão.

Não é uma tarefa difícil, é uma questão de querer e dedicar um tempo.

Vocês podem se surpreender com a facilidade com que isto ocorre e com a satisfação que isto lhes trará. Servir o Espírito através da ajuda na cura de seus ancestrais é muito elevado. E vocês são altamente capacitados para fazer isto.

Vocês podem ter conhecimento de humanos que ajudam entidades desencarnadas para irem embora, como também, ajudam aqueles que já passaram, mas ainda não estão cientes de que estão mortos. Alguns fazem isto como parte de seu serviço divino.

Tem havido purificação no Planeta Terra para muitos há um ano agora, e para quem ela for um passo para a Luz, ela deve chegar cedo ou tarde. E agora é hora. Ela ajudará a elevar a frequência do planeta de um modo que é observável e óbvio visto do nosso reino.

Nós lhes pedimos para que assumam esta responsabilidade e os elogiamos por sua escolha. Como os mestres evoluídos que são vocês estão capacitados para isto e muito mais. Vejam isto como um favor que vocês prestam à sua família e a outros.

Acreditem.

Detemos um poder inimaginável para nossos padrões de consciência, permitam ajudar seus entes queridos, que mesmo apartados fisicamente, necessitam de orientação, sobretudo Amor; ajudemos a quem amamos a encontrar seus caminhos, para isso basta apenas a intenção.

Fiquemos em silêncio, meditemos e enderecemos Amor!!!

Muita luz nesses momentos.

Fred Domingos

Obra: O Filósofo em Meditação de Rembrandt Harmenszoon van Rijn

segunda-feira, 12 de abril de 2010

PHOTOZOFIA - ARTE, CULINÁRIA E FILOSOFIA



"Um lugar para contemplar a natureza, degustar formas diferentes (naturais, porém muito bem elaboradas) da gastronomia, apreciar a arte da simplicidade criativa…"



Situado em São Francisco Xavier, distrito de São José dos Campos – SP, encontramos um excelente local que agrega paz, cultura, boa gastronomia e entretenimento; o Photozofia – Arte e Cozinha possui todos esses atributos, sua base está na filosofia WABI SABI, onde abro um parêntese.

A arte do Wabi Sabi, inspirada nos ensinamentos do Taoísmo e do Budismo, fundamenta-se na doutrina da simplicidade, da moderação, da naturalidade, da alegria, da melancolia, da assimetria e da não permanência.

Trata-se de perceber que a ação humana sobre o mundo deve ser tão delicada que não impeça a verdadeira natureza das coisas de se revelar, descobrindo a beleza que existe naquilo que tem as marcas do tempo e que ainda guarda em si a natureza. O conceito surgiu no século XV e define-se, de uma forma simples, como a arte da imperfeição.

Mantenha a ordem sem obsessões. A limpeza é uma forma de respeito pelo nosso meio envolvente. A sujidade é um espelho do estado mental de quem ali vive. O encanto das fendas de um chão ou de um teto de madeira é maior quando não há rasto de sujidade.
Procure a espontaneidade. Assuma-o como parte da decoração da sua vida. Talvez um dia essas marcas já não estejam lá e sinta nostalgia do amor e ternura que representaram.

Desfaça-se do supérfluo. Os livros que não vai voltar a ler ou que não a marcaram, a roupa que já não vai usar, os objectos usados que já não vê como belos.

Recicle tudo o que conseguir. Permita que aquilo de que já não consegue desfrutar possa continuar a existir na vida de outras pessoas. E evoque, assim, a arte do efémero.

Tudo muda, nada permanece.

Preste atenção aos detalhes. Espelhos, plantas, água, fogo, inclusive odores: da madeira, da roupa acabada de lavar, do sabonete das mãos... Perca tempo com estes detalhes para agradar os seus sentidos.

Todas as coisas são impermanentes;

Todas as coisas são imperfeitas;

Todas as coisas são incompletas;

Daí olhar para elas de um modo wabi sabi é ver:

A beleza que existe naquilo que tem as marcas do tempo (a velha cadeira de balanço com sua pintura já gasta tomando o solzinho que entra pela janela é wabi sabi)

A beleza do que é humilde e simples (em vez de sofisticado e cheio de ornamentos inúteis).

 A beleza de tudo que não é convencional (quer algo mais wabi sabi do que servir à luz de velas e em toalhas de renda um simples cappuccino?)

A beleza dos materiais que ainda guardam em si a natureza (wabi sabi é definitivamente papel, algodão, velhos e nobres tecidos, nada de plástico)

A beleza da mudança das estações (que tal experimentar descobrir os primeiros verdes fresquinhos e brilhantes que anunciam a primavera?)

Bem amigos, acho que já entenderam o clima, Wabi Sabi é isso, simplicidade, preservação da natureza, sustentabilidade (em seu pleno entendimento), reutilização do descartável em um belo bem durável, a paz em forma bucólica…

Nesse tema, arquitetura do menos é mais, alternativas ecológicas de construção e objetos que você encontra aqui e no fundo da sua memória…

O Gasômetro de São Paulo em 1915, em 2000 parte da estrutura foi demolida e veio parar em São Francisco Xavier para a construção do Photozofia Arte & Cozinha.

Tudo isso podemos encontrar no Photozofia, e mais, não só lá, mas em cada esquina de SFX (São Francisco Xavier), o Distrito exala a filosofia mesclada ao esoterismo, impossível passar um dia sem contemplar a natureza e questionar-se sobre o sentido da vida, principalmente quem viver em agitadas e caóticas cidades…

…a simplicidade responde muitas questões.

Voltando ao Photozofia, não posso deixar de citar a preocupação com o tema Arte e Cultura, pois enquanto você saboreia alguma delícia “natureba”, sim, quem disse que natureba é ruim…você tem a sua disposição uma biblioteca muito peculiar, entre outras obras, fiquei muito entretido no “Manual do Arquiteto Descalço”, tão antiga sabedoria e tão necessária hoje…

Para onde olhamos vemos arte mesclada a exemplos de respeito ao meio ambiente e a prova de que sustentabilidade é possível.

Não vou me alongar, fica a dica… viajem, conheçam e tirem suas conclusões.

Muita luz, é possível...

Fred Domingos

O QUE DIRIA JÓ???


Meus queridos amigos, gostaria de iniciar com um infame trocadilho:

“Tudo passa, até a uva-passa; tudo muda, até a surda-muda…”

Será? Quem garante? Quando muda, se transforma em que?

Não gostaria de dar uma conotação política ao assunto; gostaria de manter o “Blog” na neutralidade política, não gerar polêmicas sobre este ou aquele partido, político ou entidade qualquer…

…mas é impossível não comentar os desmandos, o descaso com o próximo.

Vivemos em tempos onde um Presidente se rebaixa a posição de vítima de outro Poder constituído do Estado (Judiciário), e imediatamente declara que chegará o dia onde um juiz não poderá exercer suas atribuições em detrimento de interesses megalomaníacos, maquiados como populistas; onde a candidata da situação defende a liberdade de expressão, sendo mentora de dispositivos ditatoriais para o controle da mídia, e quaisquer outras formas de comunicação livre, não esqueçamos que a poucas décadas, ela mesma pegou em armas, e cometeu atos (para outro mortal considerado autor, seriam Crimes) em nome dessa tal liberdade.

Em contrapartida, a oposição de hoje, por muito tempo situação, utiliza da mesma tática de guerrilha, contra-informação através de dossiês e acusações; ambos inauguram “maquetes de pontes”, como aqui em Santos, mas tudo bem, o que realmente importa é estarmos na final do “Paulistão” e ganhando de sete, ou nove de algum time pequeno.

No Rio, não preciso nem descrever os fatos, estão atrás de um Bode Expiatório, ninguém assume sua parcela de culpa, e veste sua carapuça…

… o Prefeito alega que, se soubesse que ocorreria tal desastre, impediria a ocupação do lixão, já alguns espíritos de porco; literalmente falando, pois quem ocupa uma área dessa preocupado em levar alguma vantagem (vender, solicitar uma indenização, etc.),não só tem o espírito, mas é um porco mesmo, os suínos que me perdoem; esses oportunistas vêem as câmeras brigar pelos seus “direitos” em receber suas indenizações.

E coitado do Major do Corpo de Bombeiros, agora querem que ele explique o motivo pelo qual determinou que seus subordinados deixassem o alto do morro minutos antes da derradeira avalanche…

…muitos tiveram mais de três décadas para evitar tudo isso, e a culpa é do Bombeiro, que salvou muitas vidas, inclusive a própria. Onde estamos?

Mas tudo bem, faltam menos de sessenta dias para a Copa e até lá tudo isso será esquecido, a preocupação é se fulano parou de freqüentar festas regadas a muita droga ao lado de traficantes, o problema é uma queda no seu rendimento, não as suas companhias…

Meu objetivo não é aumentar a revolta, difundir o medo (mais do que nunca condeno essa prática), mas sim tornar, cada vez mais, nossa mente livre da alienação em que vivemos hoje; concordo que sozinho não posso mudar o mundo, mas dei o primeiro passo, mudei o meu mundo, quero colaborar em mudar o mundo dos que estão a minha volta (não fisicamente, mas em freqüência semelhante a minha).

Gostaria de encerrar com uma música que tenho em ótimo crédito, e seu intérprete mais ainda; muito atual e, infelizmente um auto-retrato do cotidiano em que estamos submersos.


Vocês que fazem parte dessa massa
Que passa nos projetos do futuro
É duro tanto ter que caminhar
E dar muito mais do que receber
E ter que demonstrar sua coragem
À margem do que possa parecer
E ver que toda essa engrenagem
Já sente a ferrugem lhe comer
Êh, oô, vida de gado
Povo marcado
Êh, povo feliz!

Lá fora faz um tempo confortável
A vigilância cuida do normal
Os automóveis ouvem a notícia
Os homens a publicam no jornal
E correm através da madrugada
A única velhice que chegou
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou!
Êh, oô, vida de gado
Povo marcado
Êh, povo feliz!

O povo foge da ignorância
Apesar de viver tão perto dela
E sonham com melhores tempos idos
Contemplam esta vida numa cela
Esperam nova possibilidade
De verem esse mundo se acabar
A arca de Noé, o dirigível,
Não voam, nem se pode flutuar
Êh, oô, vida de gado
Povo marcado
Êh, povo feliz!

Um grande abraço e muita luz.

Fred Domingos

domingo, 11 de abril de 2010

INSIGNIFICÂNCIA E HUMILDADE



"Insignificâncias fazem a perfeição, mas a perfeição não é uma insignificância."

Michelangelo


Queridos amigos, pesquisando em alguns “sites” acabei por esbarrar neste assunto; o interessante é que a imagem abaixo é utilizada como “Plano de fundo” no PC de um amigo que trabalha na mesma Seção onde trabalho…


… todos os dias olho para aquela imagem e nunca levei em consideração o seu verdadeiro significado.


Aqui está um exemplo de um "conceituado" astrônomo da NASA que "acha" que temos apenas 01 universo:


"Considere que existem entre 200 e 400 bilhões de estrelas na nossa galáxia.

Considere que estima-se que existam também cerca de 100 a 200 bilhões de galáxias no Universo.

Se o número médio de estrelas por galáxia for de 100 bilhões (1e11, ou 1×10¹¹), e existam cerca de 100 bilhões de galáxias (1e11), então existem 1e22 (1×10²²) estrelas.

Se só 30% delas tem planetas orbitando-as, com uma média de 1 planeta por estrela, então são 3e21 planetas (3×10²¹) no Universo todo."

A Terra em comparação com Antares é praticamente insignificante, poderíamos supor que ela seria uma partícula de poeira que os nossos olhos não alcançam. Cabem 2.000 terras dentro do Jupter, 600 Jupters dentro do Sol, e o Sol é 700 vezes menor que Antares. Antares é bem menor que outros planetas que as nossas atuais limitações não permitem alcançar.

A partir desta leitura nós podemos reflertir mais sobre: insignificância e humildade.

Procure pensar nisso!

Só existe uma maneira e um único caminho para alcançar os universos, a eternidade e a verdadeira felicidade:

Trilhões de anos luz pelos universos ou milhares de reencarnações de aprendizado?

Nada disso!

O conhecimento pleno está em você, abra seu coração para receber toda a felicidade que É em você. A Verdade não está fora, em ninguém, olhe pra dentro.


Passei a refletir sobre nossa “imensa insignificância” na matéria…

Um grande abraço.

Fred Domingos

Fonte: http://bemvindoa5d.blogspot.com/